terça-feira, novembro 01, 2005

Dia de Finados



Amanhã é o dia oficializado, de nos lembrarmos dos que já morreram. Como hoje é feriado aproveitam para ir aos cemitérios enfeitar as campas, mostrar as toiletes, etc...uma verdadeira feira de vaidades...

Apesar de todos os dias me lembrar dos meus entes queridos, que já morreram, hoje fui ao cemitério.
E continuo a não gostar de ir neste dia. É que fui ensinada que, um cemitério é um lugar de respeito, pelos que lá estão enterrados, e vi pouco...

Meus queridos ausentes eu lembro-me de vós e ofereço-vos este ramo de rosas, especialmente aos meus queridos Pais.
Isabel sei que não levas a mal. Beijinhos
Assina: Uma que quer ser cremada.

9 comentários:

Carlos Gil disse...

Eu nem sei se gostava de ser cremado ou não. No fundo estou morto, e morrer é kaputt, nada sentir, nada contar para nada, só matéria orgânica que é preciso arrumar de alguma forma.
Intelectualmente preferia ser quimado; se penso no assunto agrada-me mais uma imagem de mim 'à posteriori'etérea também físicamente, que uma outra onde a decomposição e outras leis desgardáveis da natureza cumpram de a a z as suas lentas regras.
Sobre o dia de Finados: não o pratico, eu raramente vou a cemitérios. Acho que não é a proximidade com o ultimo local geográfico em que o corpo foi visto, que mais me aproximará do que ele fora antes, antes, antes.
Eu acho-me, acho-nos a todos, teremanedamente animias, no casi só com a diferença da tal inteligência mais apurada. Aí, acho que morrendo acabou e nada subsiste para além da memória, depois os feitos e os desfeitos, etc, afinal é só a memória que resta. A vida termina com a morte e ponto final.
A(s) memópria pode ser respeitada em qualquer data e local, e o fim dado ao corpo só o olho como possível em dois planos: daquele que será futuro agente principal, e que terá a sua própria visão de melhor final dos finais. E a dos que (lhe) sobrevivem, que farão a sua homengaem e iniciarão o seu luto, pelas formas mais viáveis e rápidas. Dia disto, dia daquilo? Não: dia do meu Manel e do meu Joaquim, dia da minha Emerenciana e da tia Júlia. Dia que quando nos lembrarmos de uma a um. Sem dia fixo, tenha sido cremado ou classicamente entregue a meio balde de cal, que apresse o inevitável escorrer de fluídos para a sua origem, a natureza.

th disse...

Amém! embora eu espere ser surpreendida por algo de transcendente...th

Luh disse...

Espera viva Theo...risos

Carlos concordo com quase tudo que disseste...

Henrique Santos disse...

Eu creio na vida para além da morte por isso sou Cristão e católico. Morrer não é o fim, mas sim o princípio de uma vida sem fim... Eu creio!
Bjinhos Ricky

Carlinha disse...

Olá Maryluh!
Venho aqui agradecer a visita que fizeste no blog do Nuninho.
Em relação a este tema tb concordo contigo que neste dia os cemitérios são autênticos palcos de desfiles. Não é preciso dia especial para nos lembrarmos dos nossos entes queridos que já partiram. Eu lembro-me do meu pai e dos meus avós todos os dias ...
Beijinhos

Isabel-F. disse...

OI Maryluh...

Ir a cemitérios, para mim nada significa...
dos meus mortos lembro-me todos os dias...

tb eu irei ser cremada...

beijoka

Lis57 disse...

Obrigada pela tua visita ao meu blog. Apesar do FCP NÃO ANDAR MUITO BEM.... temos bom gosto.
Que saudades do Mourinho!!!!!!

Beijos

Pecaaas disse...

Não preciso de um dia especial para me lembrar dos que me eram queridos e que já partiram...
1 bj
Pedro

Anónimo disse...

Maryluh, que assunto tao sentimental aqui trazes hoje. Nao sou de visitar os cemiterios, isso nada me diz, ate porque devido a tantas mudancas acabamos por nao ter ninguem aqui por perto que nos seja intimo nesses lugares. Tenho por natureza lembrar-me sempre dos meus entes queridos que ja nao se encontram entre nos, e sabes bem a minha opiniao sobre estes dias certos para isto ou aquilo.Mas olha adorei as flores e tambem o artigo, continua.
jokinhas Sao Diniz