quinta-feira, janeiro 19, 2006

Naturalidade

Dedico este poema a todos que se sentem assim, e em especial ao meu marido.

Europeu, me dizem.
Eivam-me de literatura e doutrina
européias
e europeu me chamam.

Não sei se o que escrevo tem raiz a raiz de algum
pensamento europeu.
É provável ... Não. É certo,
mas africano sou.
Pulsa-me o coração ao ritmo dolente
desta luz e deste quebranto.
Trago no sangue uma amplidão
de coordenadas geográficas e mar Índico.
Rosas não me dizem nada,
caso-me mais à agrura das micaias
e ao silêncio longo e roxo das tardes
com gritos de aves estranhas.

Chamais-me europeu? Pronto, calo-me.
Mas dentro de mim há savanas de aridez
e planuras sem fim
com longos rios langues e sinuosos,
uma fita de fumo vertical,
um negro e uma viola estalando.


Rui Knopfli escreveu no seu livro "O país dos outros", 1959

2 comentários:

Isabel-F. disse...

...foi bom reler...

gosto bastante este poema.

bfds
bjs

daalgempaKu disse...

daalgempaKu_Um olhar diferente
daalgempaKu pretende ser um espaço de divulgação de informação alternativa do algarve em geral e de portugal em particular, sempre disponível para receber tudo e dar tudo, desde sexo a poesia, sem tabús. Não tenha pudor, você será a cobaia deste novo formato de informação a cargo de repórteres experientes na matéria...paKu

VISITEM-NOS EM: http://daalgempaku.blogspot.com