segunda-feira, agosto 25, 2008

Exposição Olhar Picasso inaugurada em Portimão

Vivo no Reino e só visitando o Forever Pemba descobri esta noticia.
Obrigada jaime Gabão.


Acontece no dia 24 de Agosto, na nova Galeria do Arade, no Parque de Feiras e Exposições de Portimão - Algarve e é comissariada pelo artista plástico natural de Pemba, Rui Andrade Paes:
.
Pela primeira vez no Algarve.
Exposição dedicada a Picasso é inaugurada em Portimão.
.
A exposição “Olhar Picasso” é inaugurada no dia 24 de Agosto, na Galeria do Arade, no Parque de Feiras e Exposições de Portimão, numa iniciativa da Câmara Municipal desta cidade.
Esta é a primeira exposição que se realiza no Algarve dedicada a Picasso e assinala a abertura da Galeria do Arade, um novo espaço cultural de 1.400 metros quadrados, junto ao Portimão Arena.
“Olhar Picasso” está dividida em três áreas: uma, com pinturas, cerâmicas, litografias e desenhos originais do artista espanhol; “Lee Miller & Picasso” com fotografias da autoria de Lee Miller, mulher de Sir Roland Penrose, o biógrafo mais importante de Picasso; e “Picasso e a Arte Portuguesa do Século XX”, com 100 obras de artistas portugueses influenciados pela arte picassianao.
A inegável influência de Picasso na Arte Portuguesa do século XX junta nesta mostra obras dos maiores génios da pintura nacional: Almada Negreiros (1893-1970), Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918), Mário Eloy (1900-1951), Santa-Rita Pintor (1889-1918), Artur Bual (1926-1999), Júlio Pomar, Júlio Resende, Mário Cesariny (1923-2006), Vieira da Silva (1908-1992), Graça Morais, José Emídio, Alberto Péssimo, Rui Paes, Alcino Soutinho, Álvaro Siza e Jorge de Oliveira, entre outros.
A exposição das obras engloba três períodos distintos: até aos anos 50, dos anos 50 aos anos 80, e dos anos 80 à actualidade. Os textos dos catálogos são da autoria dos críticos e historiadores de arte Rui-Mário Gonçalves, José Luís Porfírio e Laura Castro.
“Lee Miller & Picasso” é a primeira exposição individual da fotógrafa em Portugal, e representa o período da vida do artista entre 1936 e 1970. Nesta selecção de imagens, exposta recentemente no Museu Picasso, em Barcelona, são retratados momentos únicos da vida de Picasso, dos seus amigos, amantes e companheiros, captados em situações de intimidade especiais.
Picasso foi o artista mais produtivo da sua época. O génio, sinónimo de modernidade artística, manifestou-se em várias vertentes: do desenho à gravura, da escultura à cerâmica e, principalmente, através da pintura.
A exposição é comissariada pelo pintor e ilustrador Rui Paes, que colaborou no último livro infantil de Madonna, “Pipas de Massa”, editado em 2005 e traduzido em 40 línguas.
Para os mais novos, “Olhar Picasso” inclui, ainda, o espaço lúdico “À descoberta de Picasso”, no qual cada criança pode adquirir novos conhecimentos e experiências através da pintura.
“Olhar Picasso” está patente até 19 de Outubro e tem a coordenação e montagem da Árvore, cooperativa de actividades artísticas com uma extensa experiência neste tipo de projectos.
.
“Olhar Picasso”
· De 24 de Agosto a 19 de Outubro.
· Preço: 5,00 € - Gratuito para estudantes
· Horários:
- 24 de Agosto a 14 de Setembro das 15h00 às 23h00
- 15 de Setembro a 19 de Outubro das 10h00 às 18h00
· Galeria do Arade – Parque de Feiras e Exposições – Portimão
. Informações adicionais para a Comunicação Social: - Margarida Pereira - LPM Comunicação - Tel. 218 508 110 :: Tlm. 961 334 957.
-Ed. Lisboa Oriente, Av. Infante D. Henrique, 333 H - Escritório 49, 1800-282 Lisboa.

domingo, agosto 24, 2008

sábado, agosto 23, 2008

Desejo-te Tempo

Photobucket

Desejo-te Tempo!
José Régio

Não te desejo um presente qualquer,
Desejo-te somente aquilo que a maioria não tem.
Desejo-te tempo, para te divertires e para sorrir;
Desejo-te tempo para que os obstáculos sejam sempre superados
E muitos sucessos comemorados.
Desejo-te tempo, para planear e realizar,
Não só para ti, mas também para os outros.
Desejo-te tempo, não para ter pressa e correr,
Desejo-te tempo para te encontrares,
Desejo-te tempo, não só para passar ou vê-lo no relógio,
Desejo-te tempo, para que fiques;
Tempo para te encantares e tempo para confiares em alguém.
Desejo-te tempo para tocares as estrelas,
E tempo para crescer e amadurecer.
Desejo-te tempo para aprender e acertar,
Tempo para recomeçar, se fracassares...
Desejo-te tempo também para poder voltar atrás e perdoar.
Desejo-te tempo, para ter novas esperanças e para amar.
Não faz mais sentido protelar.
Desejo-te tempo para ser feliz.
Para viver cada dia, cada hora como um presente.
Desejo-te tempo, tempo para a vida.
Desejo-te tempo. Tempo. Muito tempo!


A minha Amiga São enviou-me estas palavras, que neste dia são especiais. Há precisamente 60 anos nasceu uma bebé tão enfezada que a avó paterna disse que não se iria criar...Enganou-se.
O tempo tem dado para tudo.
E parafraseando o poema acima citado, de que não sei a autoria, desejo que o Tempo que me resta seja de qualidade.

sexta-feira, agosto 22, 2008

Obrigada Nelson Évora


Nelson Évora conquistou a medalha de ouro olímpica, ao vencer em Pequim o concurso do triplo salto. O melhor ensaio do atleta português foi de 17,67 metros, melhor marca do ano, conseguida à quarta tentativa.

Nelson começou a final com 17.31, fazendo 17.56 no segundo salto, o seu melhor do ano até aí. No entanto, o britânico Phillips Idowu superaria o atleta do Benfica ao terceiro ensaio, com 17,62, só que Nelson responderia com o fantástico salto que lhe daria a vitória e a segunda medalha para Portugal em Pequim, depois da prata de Vanessa Fernandes no triatlo.

Idowu (17,62) arrecadou a prata, enquanto Leevan Sands (17,59), das Bahamas, ficou com o bronze.

Foto e texto copiados do Jornal Record com a devida vénia
Alterações à foto feitas por mlh

segunda-feira, agosto 18, 2008

Vanessa Fernandes - Medalha de Prata no Triatlo, nos Jogos Olimpicos 2008


Só me deitei depois de teres cortado a meta. Emocionada e agradecida pelo teu feito.
És uma miúda cheia de garra. Verdadeiro exemplo. E como gosto de desejar:


Faz o favor de ser Muito Feliz!!!


Transcrevo estas tuas palavras e uma das foto que há na tua página

"Agradeço a todos portugueses pelas demonstrações de carinho que foram fundamentais para acreditar que era possível. O vosso apoio ajuda-me a perceber que vale a pena continuar a lutar pelos nossos sonhos e que com trabalho e confiança é possível conquistá-los!

Muito obrigada por tudo!"

Vanessa Fernandes

Despedida de Francis Obikwelu

Francis Obikwelu Foto daqui

Nesta hora da despedida presto a minha homenagem a Francis Obikwelu utilizando este artigo do jornalista Ferreira Fernandes, com a devida vénia.

Ferreira Fernandes
jornalista
ferreira.fernandes@dn.pt

Ontem, estivesse eu ao pé, ele haveria de ouvir das boas. O tolo! Mas quem pensa ele que é para ousar fazer o que fez? Virar-se para mim e dizer: "Peço desculpa!!!" A frase inteira até é assim: "Agradeço a todos, porque estiveram a ver-me na televisão, e peço desculpa." Eu estive a ver televisão e tomo a frase para mim: Francis Obikwelu pede-me desculpa!

Ele ainda há-de engolir essas palavras. Não perde pela demora. Aproveitou dizer isso agora que estamos com meio mundo a separar-nos, mas hei-de encontrá-lo. E bem pode ele ter mais um palmo de altura, mais bíceps e várias décadas menos. Vou--me a ele e espeto-lhe o dedo no peito: "Oiça lá, meta as desculpas onde quiser. Eu não as admito, ouviu?! Eu de si só quero que aceite o que tenho a agradecer-lhe." E, depois, desbobino tudo.

Desde logo aquele dia de Atenas em que fiquei sentado no estádio muito mais tempo do que ele levou a fazer - a uma vintena de metros dos meus olhos - os seus 100 metros de prata. Varreu-se-me o rapaz que lhe ficou à frente e todos os outros. Só ele contava não porque fosse belo a correr - todos os velocistas são belos a correr - mas dele sabia-lhe a história. Claro que o isco era ele ser do meu país, mas os iscos servem para fascinar, não para cativar. E eu de Francis Obikwelu, estava, estou cativo. Toda a minha vida foi feita para saber admirar homens assim. Ele ia na volta de honra, com uma bandeirinha, e eu sentado, sem gritos, nem aplausos, com o silêncio que me dou quando pratico a minha religião. A minha religião são os homens.

Eu já vivi, de casa montada e cultura bebida, em três países, sou filho e neto de emigrantes, sei que as pátrias mudam. E que ele há homens e ele há homens e que os primeiros são-me os preferidos: os que fazem seu o lugar onde estão. O africano Francis Obikwelu veio para Portugal aos 16 anos (o meu pai foi com um ano mais para Angola com um irmão mais novo, só os dois). Obikwelu trabalhou nas obras - e, diz-se, acarretando os sacos de cimento arranjou a estrutura muscular que haveria de o prejudicar nos arranques das corridas (ser pobre paga-se). Para fazer aquilo que queria, atletismo, chegou a dormir sob as bancadas do estádio do Belenenses.

Aconteceu que Francis Obikwelu encontrou uma família portuguesa que lhe deu a mão e aconteceu que a essa família ele deu aquele sorriso com que brindou o Ninho de Pássaro, ontem, antes de sabermos que era a sua derradeira corrida. Com Portugal, Obikwelu fez o mesmo, um contrato. Coisa entre iguais: eu dou e tu dás.

Sendo assim, porque digo que lhe estou agradecido? Porque são raros os que, como Obikwelu, não pedem, trocam. Ou, melhor, não são raros, fala-se de mais é dos outros. Ontem, lamentando não ter dado o que os portugueses esperavam, Obikwelu disse: "Este é o meu trabalho e queria pelo menos dar uma final aos portugueses."

Repararam na palavra? Trabalho. É a palavra dos homens. Obrigado, Obikwelu.

terça-feira, agosto 05, 2008

Sem titulo, nem texto-até agora-e já tem dois comentários...a ver se continuam a manifestar-se :-P